Rio de Janeiro ganha Museu de Arte no dia de seu 448° aniversário

Postado em

Ao lado da presidenta Dilma Rousseff, o governador anunciou doação de acervo do Banerj ao MAR

 

Primeira entrega do amplo projeto de revitalização da Região Portuária, o MAR – Museu de Arte do Rio, foi inaugurado, na Praça Mauá, nesta sexta-feira (1/3). O presente especial, dado a cariocas e fluminenses, marcou o aniversário da Cidade Maravilhosa, que completou 448 anos. A construção do MAR recebeu recursos no valor de R$ 79,5 milhões, sendo R$ 65,5 milhões dentro do projeto Porto Maravilha e o restante, R$ 14 milhões, por meio do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). O museu tem a Vale e as Organizações Globo como patrocinadoras e o apoio do Governo do Estado e do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

 

Durante a cerimônia de inauguração, que contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, o governador Sérgio Cabral anunciou a doação da coleção Banerj, antigo Banco do Estado do Rio de Janeiro, ao Museu de Arte do Rio.
– Quero, neste momento, oficializar ao prefeito Eduardo Paes a doação, à cidade do Rio de Janeiro, da coleção Banerj a este museu de arte. Poucas vezes uma cidade celebrou seu aniversário como nós estamos comemorando esses 448 anos. Esta é uma marca da renovação da cidade. O Rio merecia um museu desta dimensão – afirmou o governador.

Para a presidenta Dilma Rousseff – que ao final do discurso pediu que a plateia cantasse a canção ‘Parabéns para você’ em homenagem à cidade – a construção do MAR representa o avanço do Brasil por ser, a obra, fruto da parceria entre governos e a iniciativa privada.

– Quero cumprimentar a todos os cariocas e a todos que vieram aqui para esta comemoração pelo momento muito especial. Visitantes brasileiros e estrangeiros poderão ter um lugar para conhecer nossa história artística, a nossa alma. Esta é uma importante parceria que mostra o avanço do Brasil porque há a união dos governos e empresários. Parabéns para vocês e para nós – disse Dilma Rousseff.

Primeiro a falar, o prefeito Eduardo Paes agradeceu à Fundação Roberto Marinho pelo investimento que tem feito em benefício da cidade do Rio de Janeiro, destacando que o equipamento administrado pela prefeitura simboliza o renascimento de uma região antes totalmente degradada.

– Quero agradecer ao time da Fundação Roberto Marinho, que conseguiu presentear a cidade do Rio com três museus, o de arte do Rio, o da Imagem e do Som, e o do Amanhã. Quando o Rio de Janeiro finalmente volta o olhar para esta região, isso é um sinal de vitalidade, de rejuvenescimento e de renascimento desta cidade. Este aqui é só o primeiro símbolo de uma transformação que está na alma do carioca e é fruto do talento do nosso povo, da criatividade da nossa gente, da parceria dos governantes, da parceria da sociedade civil – ressaltou Paes.

O complexo cultural é composto por dois prédios: o Palacete Dom João VI, de 1916, que receberá exposições; e um edifício moderno, que abrigava equipamentos da Polícia Civil e foi transformado na Escola do Olhar, cuja proposta é formar professores e alunos a partir da conjugação de arte e educação. Com 15 mil metros quadrados, sendo 2,4 mil de área expositiva, o museu será aberto ao público no dia 5 de março. Quatro exposições simultâneas poderão ser visitadas: “Rio de Imagens: uma paisagem em construção”; “O colecionador: arte brasileira e internacional na coleção Boghici”; “Vontade construtiva na Coleção Fadel”; e “O abrigo e o terreno – Arte de sociedade no Brasil”.

Fonte: http://www.rj.gov.br