Gandula-musa recusa convite para posar nua e quer trabalhar na final

Postado em

Casada com vascaíno, Fernanda Maia comenta mudança na rotina desde que ficou conhecida na decisão da Taça Rio de 2012, entre Bota e Vasco

Na vida de Fernanda Maia, dar bola para alguém não tem nada a ver com a expressão que é sinônimo de início de um flerte. Gandula há quatro anos, no dia 29 de abril do ano passado, ela devolveu rapidamente uma bola que havia saído. Maicosuel bateu o lateral para Márcio Azevedo, que fez o cruzamento para o gol de Loco Abreu, o primeiro da vitória por 3 a 1 sobre o Vasco, que garantiu o título da Taça Rio para o Botafogo. Os times voltam a se enfrentar na decisão da Taça Guanabara, neste domingo, no Engenhão. Fernanda aguarda a escala para saber se vai trabalhar no jogo. E, quase um ano depois do episódio, admite que aquela partida mudou a sua vida.

Fernanda Maia gândula do Botafogo especial (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Fernanda Maia viu a vida mudar após a final da Taça Rio de 2012 (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Fernanda Maia participou de diversos programas de televisão, terminou um namoro, casou logo em seguida com uma fanático torcedor do Vasco, recusou um convite da Playboy para posar nua, intensificou o trabalho de personal trainer, é reconhecida quando anda pela rua e já se acostumou a ser chamada de “a garota da bola”.

– Minha rotina é a mesma, trabalho nos mesmos lugares. Mas, na questão de reconhecimento, mudou tudo. Sou parada na rua, as pessoas brincam comigo: “Você é a garota da bola, a garota do Botafogo?”. Outros perguntam: “Você não é a bandeirinha?” Os botafoguenses agradecem. Outros dizem: “Pô, sacaneou o meu Vasco”. O flamenguista diz que eu fiz o Vasco se ferrar. A maioria pede para tirar foto – disse Fernanda Maia, logo sendo abordada por um senhor, torcedor do Botafogo, que sacou o telefone celular para registrar o encontro.

Para mim, (posar nua) não é uma coisa normal, tipo: “vou lá tirar a roupa, beleza”. É difícil. Não consigo fazer”
Fernanda Maia

A badalação em torno de Fernanda Maia – aliada à beleza e à boa forma – logo chamou atenção da Playboy, que fez um convite para que a gandulinha posasse nua. Depois de um susto, ela tirou o time de campo. E não tirou a roupa.

– É difícil quando a pessoa liga e fala a proposta. Levei um susto. Imaginei que poderia acontecer. Aquele bafafá todo, e geralmente com essas celebridades instantâneas sempre existe um convite. Quando você está na mesa de um bar e alguém diz “ah, por R$ 10 mil eu posaria”, “ah, claro que eu posaria”. Na mesa do bar todo mundo posaria. Mas, quando o telefone toca e é a mulher perguntando, marcando a data que seriam as fotos… Para mim, não é uma coisa normal, tipo: “Vou lá tirar a roupa, beleza”. É difícil. Não consigo fazer. Nenhuma mulher que posa para a Playboy para mim é vulgar, pelo contrário. Mas é uma questão minha mesmo – afirmou.

Fernanda Maia gândula do Botafogo especial (Foto: André Durão / Globoesporte.com)A gandula brinca com bolas de sabão e espera ter a chance de devolver as bolas da final deste domingo, entre Vasco e Botafogo, no Engenhão (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Bem vestida, Fernanda tem feito ações de marketing para o Botafogo. O amor pelo clube continua. Na vida pessoal, porém, a gandulinha terminou com o namorado que acompanhou a fama repentina, mas garante que o rompimento não tem nenhuma ligação com o episódio:

– Ele era bem tranquilo, não era ciumento. O término não tem nada a ver com isso. Dois anos antes do episódio, passei por uma coisa complicada, tinha sido candidata a musa do Botafogo (em eleição realizada pelo GLOBOESPORTE.COM). Uma coisa é você aparecer de calça jeans e com uma bola, ou com a roupa masculina de gandula. Outra coisa é foto sua de biquíni no site. O que tinha que passar, ele passou antes mesmo daquele jogo.

Fernanda Maia gândula do Botafogo especial (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Botafoguense, Fernanda se casou com um vascaíno (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

Fernanda se diz tranquila e curte a vida de casada. Ela segue como personal trainer, mas ainda sonha trabalhar com jornalismo esportivo. No papel de comentarista, elege Seedorf como um jogador diferenciado:

– É outro nível, o olhar dele ao entrar no gramado é diferente. A bola saiu, você chama “Seedorf, Seedorf”, ele não olha, não. Qualquer outro jogador olha.

O time do Vasco, do ano passado para cá, foi indo embora.  O Vasco não dá mais de três toques na bola, está um time desorganizado, eles encaram problemas. No papel e na minha torcida, vai dar Botafogo”
Fernanda Maia

Fernanda Maia também analisa o clássico pela final da Taça Guanabara no próximo domingo.

– É o clássico dos improváveis. Acho que, no papel, o Botafogo tem mais chance. O time do Vasco, do ano passado para cá, foi indo embora.  O Vasco não dá mais de três toques na bola, está um time desorganizado, eles encaram problemas. No papel e na minha torcida, vai dar Botafogo. Estou ouvindo pessoas dizendo que o Vasco vai atropelar, não sei de onde tiraram isso. Mas tudo pode acontecer. Clássico é um ponto de interrogação. Clássico é clássico. E vice-versa, como alguém disse. Quem falou isso, hein? – questionou a gandulinha, referindo-se à frase atribuída ao atacante Jardel (ex-Vasco, Grêmio e Porto, entre outros), que nega a expressão que virou lenda no meio futebolístico.

Fernanda, agora, espera dar bola no domingo. Sem trocadilho. Nem vice-versa.

 

Fonte: http://glo.bo/ZavIuh