Prevenção de incêndios nas águas turvas da modernidade urbana

Postado em

Deputado Salomão vistoriou hidrantes do Rio de Janeiro a pedido de emissora de TV e discutiu a segurança predial nas 92 cidades do Estado do Rio

hidrante
Imagem Ilustrativa

 

         A prevenção de incêndios, de sinistros, e a manutenção de hidrantes em vias públicas e mangueiras anti-incêndios em prédios comerciais e residenciais foi o tema do pronunciamento do deputado estadual Nilton Salomão na tribuna da ALERJ nesta quarta-feira, 13 de março de 2013.

         Antes de falar do assunto, Salomão revelou que tem buscado junto ao Secretário de Estado da Casa Civil, Régis Fichtner, informações sobre “em que pé está a decisão de continuidade do diálogo com as famílias que moravam em beira de rios e encostas e perderam tudo na tragédia da Região Serrana em janeiro de 2011. “São dois anos sem se dar uma resposta satisfatória a muitos moradores, que estão sofrendo toda ordem de precariedades”, afirmou Salomão.

         O deputado também se mostrou preocupado com a situação de micro e pequenos empresários que estão sob o sistema do SIMPLES nacional e, com a adoção da substituição tributária, tiveram seus impostos aumentados de 0,70% a até 26% em alguns casos. “Tenho mantido contato com o Secretário de Fazenda, Renato Vilella, para que inclua a questão na pauta de abril da reunião do Conselho Nacional de Secretários de Fazenda, o CONFAZ”, revelou o deputado.

         O presidente da Comissão de Política Urbana, Habitação e Assuntos Fundiários e membro da Comissão de Defesa Civil da ALERJ contou, então, que foi convidado por um veículo de comunicação (emissora de tevê nacional) para fazer uma vistoria nos hidrantes da cidade do Rio de Janeiro, durante a manhã, “certamente estimulada pelo trágico incêndio ocorrido no Leblon (Rua Venâncio Flores, no qual morreu um casal, que se jogou do apartamento)”, comentou Salomão.

         “Procurei o Coronel Simões, comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do estado, e ele designou o Coronel Firmino, representante da corporação, para me ajudar a fazer as vistorias. Verificamos que, de um modo geral, o sistema está funcionando”, revelou Salomão. “No entanto, precisamos saber claramente qual a cobertura desses hidrantes, diante do crescimento das cidades em todo o estado. Sei que os Bombeiros, em convênio com a UFRJ, estão mapeando todas essas instalações. Mas elas são suficientes em caso de um incêndio de grandes proporções?”, completou o deputado.

         Outro problema a ser abordado, segundo Salomão, é de que forma, hoje, os síndicos e empregados de prédios residenciais e comerciais estão executando a manutenção e a vistoria periódica de suas bombas de água, mangueiras de incêndio e instalações elétricas, por exemplo. “Diante da modernização e crescimento das cidades, do número de aparelhos que vêm sendo criados e usados, precisamos discutir aqui na ALERJ uma legislação mais rigorosa. E, por isso, proponho uma audiência pública, em conjunto, das comissões de Política Urbana e a de Defesa Civil, para ouvir autoridades e especialistas no assunto, buscando soluções para prevenir acidentes e tomar providências”, propôs Salomão — obtendo, em aparte, o apoio do presidente da Comissão de Defesa Civil, deputado Flávio Bolsonaro, para a audiência pública.

         “Temos a obrigação de dar respostas às famílias que, hoje, ficam inseguras e angustiadas com a possibilidade de enfrentarem esse tipo de problemas tanto dentro de casa quanto nas vias públicas e prédios comerciais”, finalizou Salomão.