Anvisa determina suspensão da fabricação e venda de Ades

Postado em

Medida atinge lotes feitos em uma das 11 linhas de produção da empresa.
Unilever já havia feito recall de suco de maçã, por risco de queimadura.

Sabor dos produtos suspensos Tamanho
Abacaxi 1 L
Cereais com mel 1 L
Chá verde com tangerina 1 L
Chá verde com limão 1 L
Chocolate clássico 1 L
Chocolate com coco 1 L
Frapê de coco 1 L
Laranja 1 L
Maçã 1 L
Manga 1 L
Maracuja 1 L
Melão 1 L
Morango 1 L
Original 1 L
Pêssego 1 L
Shake morango 1 L
Uva 1 L
Vitamina banana 1 L
Zero frapê de coco 1 L
Zero laranja 1 L
Zero maçã 1 L
Zero original 1 L
Zero pêssego 1 L
Zero vitamina banana 1 L
Zero uva 1 L
Laranja 1 L – embalagem promocional
Uva 1 L – embalagem promocional
Maçã 1 L – embalagem promocional
Maçã 1,5 L
Uva 1,5 L
Laranja 1,5 L
Original 1,5 L
Fonte: ‘Diário Oficial da União’

Uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada no “Diário Oficial da União” desta segunda-feira (18) suspende a fabricação, a distribuição, a venda e o consumo de lotes dos produtos com soja da marca Ades, de diferentes sabores, versões e tamanhos. A medida atinge apenas uma das 11 linhas de produção de Ades da fábrica de Pouso Alegre (MG).

Segundo a resolução, a medida foi tomada “por suspeita de [os produtos] não atenderem às exigências legais e regulamentares da agência”. A Anvisa afirmou que a medida é temporária e que foi adotada como precaução. Nesta segunda, a vigilância sanitária do estado de Minas e da cidade de Pouso Alegre fará inspeção na fábrica.

“Caso seja verificado que o problema tenha, de fato, sido solucionado  e que não atingiu outros lotes e sabores, os produtos poderão ser, novamente, liberados pela Anvisa”, disse a agência, em nota.

A Anvisa afirma que o consumidor que tiver comprado os produtos não deve consumi-los. Em caso de queimaduras ou outro sintomas, a orientação é que o consumidor procure imediatamente atendimento médico.

Em nota divulgada nesta segunda-feira, a Unilever reafirmou que o problema de qualidade “limita-se a 96 unidades de Ades sabor maçã, 1,5 litros, lote AGB25, produzidas na linha TBA3G na fábrica de Pouso Alegre”. Segundo a empresa, desde o último dia 13, nenhum produto fabricado nessa linha de produção – que está inativa – foi distribuído ao mercado.

A companhia informou ainda que já identificou a causa do problema de qualidade e implementou as medidas corretivas correspondentes, “incluindo a retirada do mercado das unidades produzidas na linha TBA3G”.

Os lotes fabricados na linha de produção afetada podem ser identificados pelas iniciais “AG” no número do lote. “Todos os demais produtos ADES não correspondentes aos lotes com iniciais AG permanecerão no mercado, encontrando-se em perfeitas condições para consumo”, afirma a Unilever.

Recall do suco de maçã
Na quinta-feira (14), a Unilever anunciou recall em um lote do suco de maçã Ades de 1,5 litro por risco de queimadura. Segundo a fabricante, a contaminação com solução de limpeza foi detectada no lote com as iniciais AGB 25, fabricado em 25 de fevereiro, com “cerca de 96 unidades do produto Ades Maçã 1,5 l”.

“Nestas unidades, foi identificada uma alteração no seu conteúdo decorrente de uma falha no processo de higienização, que resultou no envase de embalagens com solução de limpeza da máquina. O consumo do produto nessas condições pode causar queimadura’, afirmou a Unilever, em comunicado. “A falha identificada já foi solucionada, os produtos existentes na empresa foram retidos e os ainda presentes nos pontos de venda já estão sendo recolhidos”.

No dia seguinte, a Anvisa informou que solicitou à Vigilância Sanitária de Minas Gerais que realizasse inspeção sanitária na fábrica da Unilever, na cidade de Pouso Alegre, onde foi fabricado o lote de suco Ades de maçã envasado com solução de limpeza.

Na ocasião, procurada pelo G1, a Unilever informou que a empresa estava colaborando e oferecendo todas as informações solicitadas pela Anvisa e que a fábrica de Pouso Alegre estava aberta para receber a inspeção da Vigilância Sanitária.

Produto foi envazado com soda cáustica
A Unilever informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a solução de limpeza envasada nas embalagens do lote com problema foi hidróxido de sódio (soda cáustica) a 2,5%. Ou seja, diluído a 2,5%. Isso significa que a substância está na concentração de 2,5% de seu total.

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça, que está acompanhando o recall, informou em comunicado divulgado na sexta-feira (15) que o lote com problema não contém a bebida Ades mas uma solução de limpeza imprópria para o consumo. “Ainda de acordo com a empresa, o conteúdo apresenta PH elevado (aproximadamente 13) e pode representar risco de queimadura ou sensação de forte ardência na boca, caso venha a ser ingerido”, afirmou a secretaria.

Questionada pelo G1, a Unilever não esclareceu se o lote do recall foi envasado apenas com a solução de hidróxido de sódio ou com suco Ades misturado com a solução de limpeza.

Recomendação ao consumidor
Os produtos do lote de maçã com problema foram distribuídos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Segundo a empresa, a falha identificada “já foi solucionada, os produtos existentes na empresa foram retidos e os ainda presentes nos pontos de venda já estão sendo recolhidos”.

Para realizar a troca ou reembolso do produto, o consumidor deve entrar em contato com o fabricante, a Unilever. A solicitação pode ser feita gratuitamente pelo SAC no 0800 707 0044, das 8h às 20h, ou pelo e-mail sac@ades.com.br.

Em casos de dúvidas, a  Anvisa também dispõe de uma Central de Atendimento: 0800 642 9782.

14 consumidores relataram problemas
Segundo a Unilever, até a manhã desta segunda-feira, 14 consumidores tinham entrado em contado com a empresa para relatar problemas com o produto de maçã.

“Dos catorze atendimentos já realizados pelo SAC, doze já receberam atenção médica adequada e estão sendo acompanhados e dois não aceitaram”, informou a Unilever.

Segundo a empresa, os clientes atendidos relataram queimaduras na mucosa, enjoo e náusea. Ainda segundo a Unilever, todos já receberam atendimento médico, sem necessidade de internação.

O Procon-SP informou que também está acompanhando o caso. “A empresa deverá apresentar os esclarecimentos que se fizerem necessários, conforme determina o Código de Defesa do Consumidor, inclusive com informações claras e precisas sobre os riscos para o consumidor”, afirmou o órgão.

O Procon lembra ainda que os consumidores que já passaram por algum acidente causado pelo defeito apontado poderão solicitar “por meio do Judiciário, reparação por danos morais e patrimoniais, eventualmente sofridos”.

Fonte: http://glo.bo/118ZvXB