Sobe para oito o número de mortos no RJ após temporal, diz Defesa Civil

Postado em

Segundo Sérgio Simões, casos ocorreram na cidade de Petrópolis.
Chuva atingiu a Região Serrana na noite deste domingo (18)

O secretário estadual de Defesa Civil do Rio de Janeiro, Sérgio Simões, informou, por volta das 9h40 desta segunda-feira (18), que pelo menos oito pessoas morreram em decorrência das chuvas em Petrópolis, na Região Serrana, durante a madrugada. Simões se reuniu pela manhã com o prefeito de Petrópolis, Rubens Bontempo.

Entre as vítimas, estavam dois técnicos da Defesa Civil, que trabalhavam no resgate dos desaparecidos na Rua Espírito Santo, no bairro do Quitandinha, e foram soterrados.

“O governo do estado mobilizou toda a sua estrutura, especificamente a do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) com máquinas e caminhões para que a gente possa desobstruir vias obstruídas por carregamento de terra”, disse em reportagem do Bom Dia Rio.

Os rios Quitandinha e Piabanha transbordaram durante o temporal. Ruas ficaram alagadas nos bairros Quitandinha, Alto Independência, Morin e Alto da Serra. “A situação de Petrópolis é realmente muito, muito grave. Além de três mortos, há três desaparecidos”, disse o secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Minc, ressaltando que o prefeito do município já decretou estado de emergência.

Mapa - Petrópolis - VALE ESTE (Foto: Arte/G1)

O secretário Sérgio Simões informou que em Petrópolis choveu mais de 300 mm em 24 horas. O volume de chuva esperado em um mês no município é 270 mm. “Os rios voltaram à sua calha na manhã desta segunda (18). Houve vários pontos de alagamento, no Centro da cidade especialmente. O problema é que nós temos previsão de chuvas continuadas para todo o dia de hoje. O prefeito já fez um apelo para que as pessoas permaneçam em suas casas, decretou feriado escolar e a preocupação passa a ser o acumulado de chuvas, a possibilidade de novos deslizamentos de terra”, afirmou o secretário.

Ao lado de um dos principais pontos turísticos da cidade de Petrópolis, o Hotel Quitandinha, a rua foi completamente interditada porque um grande muro deslizou e causou estragos. Uma pousada, no alto do morro, ficou sob risco, em cima do penhasco.

No início da noite de domingo, o Centro Histórico e parte da Rua Coronel Veiga ficaram totalmente tomadas pelas águas do Rio Quitandinha. Na Praça da Liberdade e próximo à Praça Dom Pedro também foram registrados pontos de alagamentos.

Nesta manhã, a Rio-Petrópolis registrava pontos de interdição na subida e descida da serra, em consequência da queda de barreiras ao longo da rodovia.

Chuva causa estragos na rua do Hotel Quitandinha (Foto: Reprodução / TV Globo)Chuva causa estragos na rua do Hotel Quitandinha
(Foto: Reprodução/TV Globo)

Em Xerém, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, também foram registrados alagamentos. No entanto, o secretário não soube informar se houve vítimas. Em Petrópolis, nove comunidades tiveram sirenes acionadas no domingo (17).

Na capital, quedas de árvores bloqueavam ruas e avenidas deixando o tráfego total ou parcialmente interrompido. O Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, fechou para pousos por volta de 7h05 por causa da chuva que atingia o terminal.

Angra dos Reis
Em Angra dos Reis, na Costa Verde, as chuvas intensas provocaram o aumento do nível do Rio Mambucaba, que entrou em alerta às 20h18. No mesmo horário, o Rio Pavuna, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, estava em alerta máximo, já que estava prestes a transbordar. Na mesma região, o Rio Sarapuí, em Mesquita, estava com o nível bem acima do normal.

Pousada ficou em penhasco (Foto: Reprodução/TV Globo)Pousada ficou em penhasco (Foto: Reprodução/TV Globo)