Apreensão de drogas e dois presos em operação nesta manhã

Dois jovens presos por participação no tráfico

 2 presos com drogas

Em patrulhamento de rotina, Policiais Militares do Grupamento de Ações Táticas (GAT I), Sargento Junior e Soldados Freitas, Guimarães e Vieira, prenderam em flagrante na manhã desta terça-feira (26) na comunidade do Oriente, dois suspeitos por participação no tráfico de drogas. Com Juliano dos Santos Rosa e Carlos Vinícius Elias Teixeira , ambos de 18 anos, foram encontrados 45 papelotes de cocaína, 25 pedras de crack e R$98 em espécie (foto ao lado).

A ocorrência está sendo registrada na 134ª DP.

Operação S/A prende 19 envolvidos com tráfico em Pádua

Outros 10 presidiários já foram identificados, somando 24 presos

helicóptero-Polícia-Civil

Até o momento, 19 pessoas foram presas durante a operação batizada de Presídio S/A, desencadeada, na manhã desta terça-feira, por policiais da 136ª DP (Santo Antônio de Pádua), com apoio de várias unidades policiais, para reprimir o tráfico na região do Noroeste Fluminense. Outros 10 presidiários já foram identificados, somando 24 presos.

O nome da operação faz referência ao esquema montado em unidades prisionais, onde os presos continuam participando ativamente do tráfico de drogas dentro e fora dos presídios, utilizando aparelhos celulares.

O objetivo da ação é  cumprir 39 mandados de prisão e 48 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça. Participam da operação cerca de 200 agentes de várias unidades da Polícia Civil, com apoio do Helicóptero Águia e do Canil.

Criança de 6 anos é encontrada morta dentro de mala em Barra do Piraí, RJ

Suspeita de cometer o crime é a manicure da mãe da vítima.
Polícia não deu detalhes sobre a motivação do crime.

João Felipe Eiras (Foto: Reprodução / Facebook)
João Felipe Eiras (Foto: Reprodução / Facebook)

Uma criança de seis anos foi encontrada morta dentro de uma mala após desaparecer na tarde desta segunda-feira (25), em Barra do Piraí, na Região Sul Fluminense.

João Felipe Eiras Santana Bichara sumiu após ser buscado na escola onde estudava, o Instituto de Educação Nossa Senhora Medianeira, por um casal que disse que levaria o menino para fazer exames.

A suspeita de cometer o crime é a manicure da mãe de João Felipe, Suzana de Oliveira. O corpo do menino foi encontrado na casa dela. A polícia não deu detalhes sobre a motivação do crime e nem de como a criança foi morta. O caso foi registrado na 88ª DP (Barra do Piraí).

A família da criança, que é dona de uma imobiliária na região, usou a página do Facebook para pedir informações sobre João Felipe enquanto ele estava desaparecido. Após a morte ser confirmada, uma foto ilustrando o luto dos parentes foi colocada na página.

Fonte: http://glo.bo/11FbTPk

Polícia do RS fecha laboratório que fabricava nova droga para raves

Produto ilegal, chamado de ‘Sucesso’, é distribuído em festas rave.
Segundo a polícia, ela é considerada um subproduto do lança-perfume.

Botijões de gás e frascos da droga foram apreendidos no laboratório (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Botijões de gás e frascos da droga foram apreendidos no laboratório (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Agentes do Departamento Estadual do Narcotráfico (Denarc), da Polícia Civil, fecharam um laboratório de drogas sintéticas neste domingo (24) em Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre. No local, os policiais descobriram a produção de uma nova droga, chamada de “Sucesso” e considerada um subproduto do lança-perfume. De acordo com a polícia, a droga causa dependência química, danos cerebrais e pulmonares.

Segundo o delegado Rodrigo Zucco, que coordenou a operação, a mercadoria seria vendida em uma festa rave marcada para o dia 30 de março. Um suspeito de 28 anos foi preso com cerca de R$ 2,5 mil em dinheiro. Ele foi encaminhado ao Presídio Central.

No laboratório, a polícia apreendeu quatro botijões de gás e mais de 100 frascos que armazenavam o produto. Para produzir o “Sucesso”, traficantes utilizavam essências de hortelã, maracujá, morango e baunilha. A substância ainda não consta como droga na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas a inclusão já foi solicitada pela Polícia Civil gaúcha.

Fonte: http://glo.bo/ZlOXR6

Policia Militar aprende 2 homens e um jovem em travessão

Policiais militares prenderam dois homens e detiveram um menor com drogas na tarde deste domingo, na Rua José Giró Faísca, no distrito de Travessão de Campos.

prisões-2303-1

Os PMs  faziam patrulhamento quando perceberam um grupo suspeito. Todos tentaram fugir, mas L., 23 anos, E., 22 e M., 17, foram alcançados. Com eles, havia uma sacola contendo quatro mariolas de maconha, 13 pedras de crack,  um revólver calibre 38 e três celulares. A ocorrência foi registrada na 134ª Delegacia Legal, a central de flagrantes do fim de semana na região.

PM faz apreensão na Oriente

Na manhã deste domingo, policiais militares do Grupamento de Ações Táticas (GAT I), Sargentos Vanderson e Santos, e Cabos De Freitas e Nascimento, apreenderam drogas no telhado de uma casa, na comunidade do Oriente, no Parque Leopoldina, em Campos.

drogas-2303-oriente-2

Os militares chegaram rapidamente a comunidade e flagraram dois homens no telhado da casa, onde seria um dos depósitos de traficantes. Os homens correram e deixaram para trás uma sacola contendo 74 buchas de maconha, seis tabletes da mesma droga, quatro pedras de crack, dois rádios de comunicação e duas balanças de precisão.

As drogas foram encaminhadas para apreensão na 134ª Delegacia Legal do Centro.

 

Dupla flagrada com espingarda após tentativa de homicídio

Em Goitacazes, PMs encontraram dois acusados de tentativa de homicídio armados

arma-22-03-2013

A Polícia Militar prendeu um homem e deteve um menor que tentaram cometer um assassinato na tarde desta sexta-feira, em Goitacazes, na Baixada Campista.

Policiais do DPO da PM em Goitacazes, Sargentos Laurindo, Marcelo e Neto, e policiais do Serviço Reservado(P/2), SD Vinícus e Sargento Nararrache, prenderam Walace Marciel da Silva, de 22 anos, e detiveram o menor T.S.T., de 17 anos, com uma espingarda calibre 32 com um cartucho deflagrado e um cartucho de calibre 24 intacto.

Segundo a Polícia, a vítima, um homem de iniciais M.A.S.S., de 25 anos, entrou no DPO pedindo ajuda por volta das 15 horas desta sexta-feira. A vítima alegou que  teve desentendimento com o menor e este em seguida retornou acompanhado de Walace e tentaram matá-lo. Os militares realizaram buscas no bairro Linha do Limão e conseguiram capturar os acusados. O caso foi encaminhado a 134ª Delegacia Legal do Centro.

Batalhão de Choque da PM entra no antigo Museu do Índio no Rio

PMs usaram spray de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo.
Por volta das 13h, os pertences dos índios foram retirados do antigo museu.

Batalhão de choque entrou na área do museu no final da manhã (Foto: Reprodução/TVGlobo)Batalhão de Choque entrau na área do museu no final da manhã (Foto: Reprodução/TVGlobo)
Integrante do Femen é detida pela PM por protestar com os seios de fora em ato contra desocupação do antigo Museu do Índio (Foto: CHRISTOPHE SIMON/ AFP PHOTO)
Integrante do Femen é detida pela PM
(Foto: Christophe Simon/ AFP Photo)
Manifestante é ferido do bala de borracha durante desocupação do Museu do Índio. (Foto: Reprodução / TV Globo)
Manifestante passa mal ( Reprodução / TV Globo)
Fotógrafo do jornal O Globo, Pablo Jacob foi ferido por uma bomba de gás lacrimogêneo durante desocupação do Museu do Índio. (Foto: Isabela Marinho / G1)
Fotógrafo Pablo Jacob foi ferido por uma bomba de
gás lacrimogêneo (Foto: Isabela Marinho / G1)
Mapa Rio de Janeiro - Museu do Índio no Maracanã atualizado. (Foto: Editoria de Arte / G1)

Policiais do Batalhão de Choque entraram no antigo Museu do Índio, no Maracanã, na Zona Norte do Rio, e os indígenas começaram a desocupar o prédio por volta das 11h45 desta sexta-feira (22). O clima ficou tenso, houve confronto, e os PMs utilizaram spray de pimenta e gás lacrimogêneo. Os policiais dispararam tiros de bala de borracha. Manifestantes revoltados, muitos com os rostos pintados, ocuparam as vias no entorno e bloquearam a Radial Oeste nos dois sentidos. Um dos manifestantes passou mal e foi socorrido pelo Samu.

Após a retomada do museu, PMs do 4º BPM (São Cristóvão) vão patrulhar o local até o começo das obras do Museu Olímpico.

A invasão aconteceu após término da negociação, que começou às 3h com a chegada do Choque. Pouco antes das 11h, a PM começou a desfazer o cerco, dando indício de que havia um acordo, mas o clima de tranquilidade durou pouco: às 11h30, um grupo ateou fogo em uma oca erguida no terreno e começou a fazer uma dança. Bombeiros foram acionados para apagar as chamas.

Pouco depois, o Choque se posicionou e invadiu o local. Segundo o coronel Frederico Caldas, a decisão de entrar no antigo museu ocorreu por causa do incêndio na oca. “A Polícia Militar agiu na legalidade para uma saída negociada até que eles resolveram por fogo, que já estava se alastrando pelas árvores”, afirmou o oficial. Segundo o coronel, na operação havia 200 policiais do Bope. Ainda de acordo com Caldas, não foram índios que atearam fogo na oca, mas militantes.

Por volta das 12h20, as ruas ao redor do antigo Museu do Índio pareciam uma praça de guerra. Manifestantes com pedras, paus e faixas tentavam fechar algumas das vias.

A todo momento era possível ouvir disparos feitos por policiais do Batalhão de Choque. Manifestantes foram detidos.

A ação foi acompanhada pelo deputado Marcelo Freixo, que criticou a atuação da PM. “De repente você tem tiro para cima, spray de pimenta nos parlamentares, no promotor, no defensor público. Não é possível dizer que é necessário. Mesmo que alguns resistissem era possível que eles fossem retirados sem violência”, declarou Freixo. “Nós vamos agir contra esse procedimento da polícia”, afirmou.

O defensor público federal Daniel Macedo, que representa os índios, criticou a entrada da PM no antigo museu. Para Macedo, os policiais do Batalhão de Choque agiram de maneira truculenta. “Foi uma arbitrariedade. Não precisava disso, eles [os índios] já estavam prestes a sair. Apenas um pequeno grupo permanecia no prédio. Eles me pediram 10 minutos para fazer uma dança de despedida, quando os PMs entraram. Vou analisar imagens e talvez entre com uma representação pedindo a responsabilidade da polícia.”

O major da PM Ivan Blaz afirmou que se houve truculência durante a desocupação do antigo Museu do Índio, será averiguado. “Ainda estamos em ação. Tudo vai ser verificado e apurado no seu momento. Por enquanto ainda estamos em operação. Peço a compreensão de todos para que a gente possa liberar a via para que milhões de pessoas possam voltar às suas rotinas”, declarou.

Detidos e feridos
Entre os manifestantes havia estudantes, integrantes de grupos sociais e até ativistas do Femen. Uma delas, de seios de fora, foi detida pouco antes da invasão. Revoltada, ela gritava “assassinos”.

Índios colocam fogo em oca que fica no terreno do antigo Museu do Índio. (Foto: Reprodução / TV Globo)Índios colocaram fogo em oca que fica no terreno do antigo Museu do Índio. (Foto: Reprodução / TV Globo)

Mais cedo, o advogado Arão da Providência, que diz ser irmão de um dos índios que vivem no prédio, pulou o muro para falar com os indígenas. Ele foi repreendido por policiais militares do Batalhão de Choque, contido com uso de força e levado para o camburão. A manifestante Mônica Bello também foi detida após discutir com os PMs.

O fotógrafo do jornal “O Globo” Pablo Jacob foi atingido na perna por granada de efeito moral.

Entenda o caso
A polêmica sobre o destino do espaço começou em outubro de 2012, quando o governo do estado anunciou mudanças no entorno do Maracanã, para que o estádio pudesse receber a Copa das Confederações, em 2013, a Copa do Mundo, em 2014, e a Olimpíada, em 2016.

Pelo projeto da Casa Civil, o Maracanã seria transferido para a iniciativa privada, que deveria construir um estacionamento, um centro comercial e áreas para saída do público. Para isso, alguns prédios ao redor do estádio deveriam ser demolidos, entre eles o casarão do antigo Museu do Índio, que funcionou no local de 1910 até 1978.

O edifício com área de cerca de 1.600 m² está desativado há 34 anos. O grupo de indígenas que ocupa o prédio – e deu ao museu o nome de Aldeia Maracanã – está no local desde 2006.

Esse ano, no entanto, a 8ª Vara Federal Cível do Rio de Janeiro concedeu imissão de posse em favor do governo estadual. Os índios foram notificados em 15 de março.

Os pertences dos índios que ocupavam o antigo museu, no Maracanã, foram retirados por volta de 13h10. (Foto: Alba Valéria Mendonça / G1)Os pertences dos índios que ocupavam o antigo museu, no Maracanã, foram retirados por volta de 13h10. (Foto: Alba Valéria Mendonça / G1)

Foragido da Cadeia Pública é capturado no HGG

Preso nesta quinta-feira havia sido beneficiado com ‘Indulto de Natal’, em 2012

Foragido preso

Policiais militares do Grupamento de Ações Táticas  GAT II, Sargento Josué, e Cabos Genivaldo, Nobre e Viveiros prenderam o presidiário Ralph da Silva Barreto, de 26 anos, que estava foragido.

Na tarde desta quinta-feira, os PMs faziam patrulhamento na Avenida José Carlos Pereira Pinto, quando se depararam com Ralph, que se mostrou assustado e correu para o interior do Hospital Geral de Guarus. Ele foi alcançado e recebeu voz de prisão..

Ralph havia sido preso durante a Operação Petisto, em 2008, na comunidade Tira-Gosto. Beneficiado com uma decisão judicial para passar o Natal de 2012 fora da cadeia tinha recebido o Induto de Natal , ele não retornou.

Mãe agride funcionários de instituição

Mulher retirou filha a força da instituição. Além da agressão, ainda quebrou objetos

145-dp-2013

Dois funcionários do Abrigo Municipal Projeto AMAR foram feridos com golpes de canivete na manhã desta quarta-feira, (20/03), em São João da Barra. Uma funcionária e o coordenador da instituição, Gustavo Carreira, de 38 anos, foram atingidos, mas passam bem. Segundo versão apresentada à Polícia, a agressora Delma Barreto da Silva, 40 anos, tem uma filha, de 6 anos, na instituição, e esta encontra-se sob a guarda da Justiça.

Ocorre que, Dela esteve na instituição nesta manhã e retirou a criança sem autorização judicial. Ao ser abordada por dois funcionários na saída da instituição, ela puxou um canivete e os atingiu. Delma ainda quebrou vários objetos numa sala onde estava uma assitente social.

A Polícia Militar foi acionada e a agressora foi localizada com a filha e levada para a 145ª Delegacia Legal de São João da Barra.