Moradores do açu visitaram Unidade de Construção Naval do Açu

74493_432674810160557_1546587009_nA OSX recebeu este mês na Unidade de Construção Naval do Açu a visita de cerca de 50 moradores da localidade de Barra do Açu, vizinha ao empreendimento, que puderam conhecer de perto as obras do estaleiro. Os visitantes também participaram de um roteiro guiado de ônibus por vários pontos da UCN Açu, assistiram a vídeos e conheceram os principais projetos socioambientais desenvolvidos pela empresa. Com esta ação, a comunidade local pode esclarecer suas dúvidas e reforçar o diálogo com a OSX.

Ônibus e carro se envolvem em acidente na BR 356

O ônibus tinha cerca de 15 pessoas, mas ninguém teve ferimentos

Fiat-e-Ônibus-da-Empresa-Opição-na-BR-356-Campos-SJB-em-Martisn-Laje

Na manhã desta terça-feira (05), um ônibus e um carro se envolveram em uma colisão na BR 356(Campos/São João da Barra), próximo a Martins Lage.

Fiat-e-Ônibus-da-Empresa-Opição-na-BR-356-Campos-SJB-em-Martisn-Laje 2

Segundo a Polícia Rodoviária Federal(PRF), o motorista do Freemont de cor preta, placa LQG-7688/São João da Barra, alegou que o reflexo do sol teria atrapalhado sua visão e o levou a colidir com o ônibus  da Empresa Opção, placa KPH-2366, que trafegava na direção ao Porto do Açu.

O ônibus tinha cerca de 15 pessoas, mas ninguém teve ferimentos.

LLX contrata Asco para tornar Porto do Açu o maior centro para empresas de petróleo

A Asco presta serviços do tipo na Austrália, no Canadá, no Mar Cáspio, no Oriente Médio, no Reino Unido, nos Estados Unidos e em outros países.

Construção do canal e terminal onshore do Superporto do Açu - TX2

Nesta segunda-feira (18) a LLX em comunicado informou que assinou contrato com o Asco Group para a realização de serviços de logística para o setor de petróleo e gás.

Com o acordo, os terminais passam a oferecer soluções completas e integradas de logística, segundo a empresa.

De acordo com a LLX, que é controlada por Eike Batista, a contratação da Asco faz parte do objetivo de tornar o Porto do Açu, o maior centro no Brasil para empresas de petróleo e gás. A assinatura desse contrato agrega competência logística à infraestrutura disponibilizada pela LLX, afirmou a companhia por meio do comunicado.

A Asco presta serviços do tipo na Austrália, no Canadá, no Mar Cáspio, no Oriente Médio, no Reino Unido, nos Estados Unidos e em outros países. E em 2012, faturou mais de US$ 1 bilhão, segundo a LLX.

Novidades esse ano no Jornal O Campista

Jornal O Campista vem ai na versão impresso e totalmente inovado um jornal mensal com qualidade total de impresso e mátrias exclusivas um deleite aos nossos leitores do que a de melhor em moda esporte desenhos e quadrinhos e muito mais venha você também fazer parte de nosso novo jornal mande seu e-mail fotos e noticias para nossa redação e seja um repórter do nosso site as melhores matérias enviadas podem render prêmios para as pessoas cadastradas em nosso site para se cadastrar só enviar
nome:
endereço:
tel:
e-mail:
você receberá um nome de usuário e senha para poder postar suas matérias e fotos assim como explicação básica pára postagens.

Seja parte de nosso sucesso na Internet valido para todos.

Superporto do Açu inicia novas etapas da obra do cais de apoio offshore

Estacas de carga e prancha começaram a chegar ao empreendimento

obras-cais-offshore-açuO Superporto do Açu deu início a cravação de estaca nas obras de construção do cais de apoio offshore e do Terminal Multicargas (TMULT) do TX2, terminal onshore do empreendimento. As estacas-prancha e de carga (perfil metálico) funcionam como uma cortina de contenção formando uma parede vertical. Cerca de 100 pessoas estão mobilizadas para esta etapa de obra que envolve o transporte de 15 mil toneladas de estacas- prancha e 5.500 toneladas de perfis metálicos (estacas de carga).

Para o transporte das estacas-prancha estão sendo utilizadas carretas extensivas de até 35 metros de comprimento e, para o transporte das estacas de cargas são utilizadas carretas com até 12 metros. As estacas, produzidas na Europa, foram transportadas até o Porto de Vitória e, de lá, estão sendo trazidas para o Superporto do Açu. Para o transporte até São João da Barra, onde o empreendimento está sendo construído, foi elaborado um planejamento em parceria com as autoridades de trânsito e concessionárias das rodovias. Isso porque, como as carretas utilizadas para o transporte possuem grande dimensão, é necessário o fechamento de algumas vias, como a BR-101 e ruas em Campos

No total, para o transporte das estacas, serão necessárias 550 viagens de carretas extensivas e 200 carretas para estacas de carga. Mais de 30 carretas, com capacidade para 30 toneladas cada, já chegaram ao Superporto do Açu. A previsão é que a movimentação dure cinco meses

Foram preparadas estruturas de segurança específicas e especializadas para o transporte e a cravação das estacas. “Estamos com recursos materiais e humanos capacitados, engenheiros e técnicos de segurança dedicados na implantação das medidas de prevenção, mitigação de riscos e atendimento às necessidades para a execução de mais esta importante etapa do projeto”, afirma Douglas Souza, gerente de segurança e saúde.

Três guindastes com capacidade para movimentação de até 250 toneladas já estão no empreendimento e serão utilizados na construção do cais de apoio offshore e do TMULT.  De acordo com Carlos Ferreira, gerente de obra da LLX, a primeira fase de obra, com a construção de 1.500 metros de cais de apoio offshore, está prevista para ser iniciada em fevereiro. “Para a execução desta obra serão utilizadas 2.267 estacas-prancha e 3.654 estacas em perfil metálico”, informou. A previsão para conclusão desta etapa é dezembro de 2013.

INEA multa OSX em R$ 1,3 milhão por salinização da água em canais do Açu

Houve os agravantes de a companhia não ter comunicado ao órgão ambiental obras de reparação sem autorização

Construção do canal e terminal onshore do Superporto do Açu - TX2

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão de licenciamento ambiental do Rio de Janeiro, multou em R$ 1,3 milhão a OSX, empresa de construção naval e offshore do grupo EBX, do empresário Eike Batista, após identificar salinização da água em um canal no Porto do Açu, em São João da Barra.

Segundo o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, houve os agravantes de a companhia não ter comunicado o órgão ambiental e ter realizado obras de reparação sem autorização. “Viram que houve aumento da salinidade e não comunicaram a ninguém, o que é completamente errado, deplorável”, disse Minc.

Além da multa, a OSX terá de fazer a dragagem em três pontos do canal, cujo custo deve chegar a R$ 1 milhão. A companhia terá ainda de adotar um parque estadual no local, a um custo de implantação estimado em R$ 2 milhões, mais R$ 350 mil anuais para manutenção. O órgão também determinou que a companhia deverá ressarcir os agricultores afetados pelo problema.

Eike Batista tenta parceria com Petrobras

Nesta sexta-feira (24), o empresário levou o ex-presidente Lula para conhecer o projeto, em São João da Barra

Lula-e-Eike

Depois de um ano difícil, em que viu sua fortuna encolher, o dono do grupo EBX, o empresário Eike Batista, busca apoio do governo para firmar uma aliança com a Petrobras e desenvolver um dos seus principais projetos, o Porto do Açu.

Eike esteve em Brasília na semana passada com a presidente da República justamente para tentar apoio de Dilma para um investimento da estatal no empreendimento.

Nesta sexta-feira (24), o empresário levou o ex-presidente Lula para conhecer o projeto, em São João da Barra. Eike vem tentando se aproximar da Petrobras desde meados do ano passado. Como encontrou pouca receptividade em Graça Foster, presidente da estatal, decidiu concentrar esforços em Brasília.

De acordo com empresários cariocas, a intenção de se aproximar da Petrobras teria motivado Eike a contratar o presidente da Firjan (federação das indústrias do Rio), Eduardo Eugênio de Gouvêa Vieira, como vice-presidente da EBX. Com origem no setor de petróleo e bom trânsito nos meios oficiais, Gouvêa Vieira teria papel importante nessa articulação.

Nas conversas da semana passada no Planalto, foi dito que a entrada da Petrobras em Açu poderia se dar por arrendamento de área ou por uma sociedade efetiva.

INEA confirma multa ao porto do açu por salinizar canais

Obras causaram salinizaçao no 5º distrito de São João da Barra

salinização-canais-açu

A causa da salinização dos mananciais hídricos de água doce e do solo na Baixada Campista, que provoca perdas para agricultores e pecuaristas por causa do excesso de sal na água dos bebedouros do gado, já tem origem: as obras do Superporto do Açu, 5º distrito de São João da Barra (SJB). Os milhões de metros cúbicos de areia escavada e lançados com água salgada em áreas na faixa litorânea nos últimos três anos, afetou as águas do Canal Quitingute, e já chegou ao lençol freático, bem como aumentou consideravelmente o nível do teor de sal nas águas de canais secundários, e de algumas lagoas, como a Lagoa do Salgado e Lagoa de Iquipari, conforme levantamentos técnicos feitos por pesquisadores Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

Quem afirma também são as duas maiores autoridades ambientais do Estado do Rio: o secretário de Estado do Meio Ambiente, Carlos Minc, e a presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marilene Ramos. De acordo com informações dadas à imprensa, o secretário Carlos Minc disse que na próxima semana será divulgado as ações que a LLX – responsável pelas obras do superporto -, deverá executar para correção dos danos. Já o Inea, além de declarar que a empresa deverá dobrar (para 16) a quantidade de poços de monitoramento do local para identificar a extensão da possível contaminação das águas subterrâneas, garantiu ainda que “certamente” haverá alguma multa, só não sabe de quanto.

O canal mais atingido foi o Quintingute. Principal fonte de abastecimento dos agricultores locais, ele foi caracterizado como de água doce pelo estudo de impacto ambiental, mas atualmente tem 2,1 de salinidade, quando o adequado para irrigação é de, no máximo, 0,14.

De acordo com ela, o transbordamento já foi corrigido com um novo sistema de drenagem. Agora restam as análises das águas subterrâneas. O objetivo é identificar se elas foram contaminadas pela água salgada do processo de dragagem do porto.

Através de nota, a LLX informou que “monitora a salinidade em mais de 40 pontos, e informou também sobre as providências adotadas. Eis a nota na íntegra:

Informação à Imprensa
A LLX monitora os níveis de salinidade em mais de 40 pontos situados na área de influência do Superporto do Açu (São João da Barra, RJ), de acordo com as exigências do licenciamento. A empresa também possui convênio, desde 2010, com universidades locais, como a UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) para monitoramento dos canais utilizados para irrigação, sem qualquer indicação de alteração da atividade agrícola.

A empresa informa ainda que firmou parceria com universidades e especialistas em meio ambiente do Rio de Janeiro, São Paulo e Estados Unidos, para ampliar o monitoramento na área de influência do Superporto do Açu. Apresentou, também, o plano de ampliação da malha amostral desse monitoramento para análise do órgão ambiental responsável.
A LLX reafirma seu compromisso com a adoção das melhores práticas na construção de seus empreendimentos, com foco no desenvolvimento sustentável, e mantém o diálogo com os órgãos competentes para implementar quaisquer medidas preventivas que se façam necessárias”, informou.

Água salgada na água doce

Em entrevista ao Portal de Notícias da Folha de São Paulo, a presidente do Inea, Marilene Ramos, detalhou que o problema ocorreu após o transbordamento da água salgada do sistema de drenagem da dragagem do porto. A água, que deveria voltar para o mar, atingiu reservatórios de água doce, principalmente o Quintingute, um dos importantes mananciais da malha de 1.200 quilômetros de canais da extensa Baixada que irrigam terras dos municípios de Campos, Quissamã e São João da Barra.

Segundo relatório do estudo de impacto ambiental, realizado por empresa especializada, contratada pela própria LLX, nas especificações internacionais, atualmente a água do Quitingute apresenta 2,1 de salinidade, quando o adequado para irrigação é de, no máximo, 0,14.

Marilene Ramos adiantou que a LLX teria corrigido a falha na realização da drenagem que resultou no transbordamento, com a adoção de um novo sistema de drenagem.
Contudo, não falou se é possível e quais serão as providências para “desalinizar” o lençol freático (águas subterrâneas), atingido pela água salgada.

(Fonte: O Diário)

Felicidades Paz e Amor Feliz Natal

cartão de natal

Neste natal só quero agradecer a Deus pela Família pelos amigos e pela paz que desejo também a todos os amigos e parentes porque a vida e mais que só estas palavras, mas fazer todos os dias que me proponho vivo feliz porque hoje eu sei que e me amar para poder amar as pessoas a minha volta nunca e tarde para dizer eu me amo antes de pensar em dizer eu te amo.

Feliz Natal a todos os Amigos que durante este ano estiveram sempre visitando nosso site e pelos colunistas que juntos levamos esse site a todos com noticias, esportes deixando todos circulando em foco nesta miscelânea de moda que faz do Jornal O Campista o Numero 1 em nossa região meu muito obrigado a todos e um feliz natal.

Especialmente a toda equipe do Jornal O Campista.

DE: Guilherme Carvalho.